OBRA PICTÓRICA
 

OBRA NARRATIVA

 

FÁBULAS URBANAS
 

Contos Latinoamericanos de

FERNANDO UREÑA RIB

MAL APAIXONADA

 

 

 

Telas de Fernando Urena Rib

MAL APAIXIONADA. PINTURA AO ÓLEO DE FERNANDO UREÑA RIB. COLEÇÃO PRIVADA. MIAMI

 

 

MAL APAIXONADA


Na segunda-feira duas de setembro a enterramos. Lucía ainda sua coroa de azahares e seu rosto lívido recordava o dessas virgens puras nas imagens antigas da catedral O cabelo lhe ondeava em bucles sobre o pescoço espigado e suas mãos com anéis de prata se cruzavam sobre o delgado talhe de seu vestido branco, imaculado.

Um crucifixo luminoso abençoava seu peito. Senti a tentação de acercar-me e beijar seus lábios por última vez mas um gesto do Cardeal me o impediu. "Deve descansar, agora," me disse, "seria um sacrilegio mais e foram já demasiadas as desgraças para sua curta idade."

Sentei-me num rincão da capela, inundada de seus aromas, incapaz de articular palavra ou pensamento algum. Tentei orar, mas a ofuscação me impediu acercar-me a Deus Preferia recordar docemente no dia em que a vi pela primeira vez, na eucaristía, muito cerca da capela onde a velávamos. Foi no altar maior. Ela levantou seus olhos, olhou-me e abriu seus lábios para tomar a hóstia e meus dedos roçaram com um leve tremor aquela boca terna que parecia um milagre.

Depois vieram as confissões cada tarde, ao terminar a missa das seis Ela se ajoelhava em meu confesionario e dizia, com voz quase divina, abrigar em seu peito um amor tão formoso como impossível, que a torturava e lhe impedia dormir, que se metia em seus sonhos e a alçava e a punha a rondar a noite como a alma em pena. Sua mãe a encontrava vencida, para o fio do alva, jogada ao tronco de um grande naranjo no jardim, coberta de azahares. E esse cheiro de azahares se abria passo entre as ventilações do confesionario e embriagaba meu corpo quase tanto como seus suspiros.

"Estás mal apaixonada, Alina", advertia-lhe, "muito mal apaixonada. E um se apaixona de alguém só se um mesmo se o permite; Se um admite esses pensamentos eles crescem dentro de um e se expandem e te percorrem o corpo inteiro e penetram teu coração e tua pele e teus instintos. E já vês, agora teus sonhos estão sendo invadidos por esse desejo poderoso que não te deixa viver, que te deixa ansiosa e agoniada."

Chorava. Não valeram jejuns, penitências, letanías. Padecia de estados febris, desfalecia ao subir as escalinatas da catedral estava débil, ausente. Disse-lhe que tinha a voz mais formosa que jamais tinha escutado e era recomendável do que ela se inscrevesse num dos grupos corais da catedral Foi um alívio.

Nada como as liturgias para levantar o ânimo e a fé. Ao final dos cantos vinha ver-me e sorria feliz, com o peito henchido pela graça divina. Ficávamo-nos batendo um papo longo momento na sacristía ou a convidava a subir e ver a cidade morrer no entardecer desde a altura dos campanários. Seu aspecto melhorou e suas bochechas retomaram o leve tom rosado da primeira vez. Uma tarde, no campanário e como prêmio a seus progressos lhe presenteei um anel de prata desses que vendem os buhoneros da catedral.

Não sê como ela teria interpretado o significado daquele gesto, porque sem que eu pudesse evitá-lo ela se jogou sobre mim e me beijou nos lábios com esses lábios seus, inevitáveis, que continham o sabor da glória do céu. "É um presente de de a Providência", justifiquei-me eu, enquanto segui provando de seus méis.

Depois daqueles beijos fui eu quem atravessou um período de crise, de penurias e de dúvidas, como San Agustín. Enquanto ela se apresentava cada tarde mais formosa e florescida do que a coroa de azahar do que trazia no cabelo e que inundava o átrio de um cheiro a campo e a futuro; eu languidecía.

Reprochei-me acremente o desliz e aumentaram minhas contradições. Minha vocação está em jogo, raciocinei. Alimentar esta paixão nos conduzirá irremisiblemente ao sexo e aí, no sexo está Deus, porque nele se anidan tanto o poder da vida como o poder da morte O sexo é um lugar sagrado. Não pode um acercar-se ali com as mãos ou o coração imundos. Se cedia a seus desejos ou a meus próprios instintos jogava a destruir um alma preciosa que Deus me tinha encomendado e à que amava hondamente. Também corria o risco de cometer um pecado que pudesse condenar a minha. Recordei aquilo de San Agustín: "o pecado nos acerca a Deus e isso redobrava minhas dúvidas.

Não tinha alternativa que pedir conselho a meu próprio pastor, o sagaz Cardeal. Fiz arranjos para a confissão. No mesmo reclinatorio onde se apoiaram os joelhos de Alina , estavam agora as minhas, trémulas. Foi cortante. Aquilo teria que terminar aquela mesma tarde. Eu era sua mão direita e minha conduta empañaba a sua. Ele não podia abrigar a seu lado um material tão explosivo como o romance referido. Não. Ademais neste caso não valia a discrição. Alina era filha de uma adinerada família dedicada à perfumaria e às essências e o escândalo social e inclusive político, seriam maiúsculos e as ondas expansivas de uma explosão similar atingiriam ao Papa.

Tirei-me o crucifixo, pu-lo nas mãos de Alina, apertando-as entre as minhas. Com grande dor e da mesma maneira como falou o Cardeal se o expliquei aquela tarde, contemplando a cidade e a sua alma morrer, naquele campanário, agora triste e desolado, que levava séculos repicando glória. Ela me ouviu sem pronunciar palavra. De seus olhos não brotou uma lágrima. Baixou correndo a espiral das escalinatas. Não regressou ao coro nem ao confesionario e não voltei a vê-la até a segunda-feira, no dia que velamos seu cadáver na capela ardente.

Nesse dia sua mãe me disse que lhe voltaram todos os sintomas do mau de amor. Não comia, não dormia, era atacada por estados febris e alucinações e nas noites voltou a vagar pelo jardim, quase nua, recolhendo azahares, sonámbula e embriagada de amor. Um desconhecido atravessou os muros e penetrou o jardim, a noite do domingo. ENCONTRARAM-NA lívida, rasgada e ensangüentado ao pé do grande naranjo. Suas mãos empunhavam o crucifixo que eu lhe tinha entregado. Ela morreu, desangrada, ao fio das seis.



FERNANDO UREÑA RIB
MEXICO.21 DE SETEMBRO 2003.



 

 

FERNANDO UREÑA RIB

 
 

 

 

 
 
Google
 
.  
  Privacy Policy | Terms of use | Help | Contact Us | Report Abuse
© Latin Art Museum 2006. Design and developed by comuniQue.  
free hit counter