FÁBULAS URBANAS
 

FERNANDO UREÑA RIB

POLVO À GALEGA

 

 

 

OCEÂNICA. PINTURA AO ÓLEO DE FERNANDO UREÑA RIB. COLEÇÃO PRIVADA. MIAMI

 

 

Uma tarde de março, a mulher do polvo, engalanada e feliz, sentou-se afora sobre uma rocha esplêndida do fundo marinho e ignorando seus maliciosos depredadores habituais se dedicou a atrapar anémonas e orandas, succionando-as nas ventosas de suas tentáculos e devorando-as com particular agrado. Pouco antes, o Senhor Polvo tinha saído a dar um passeio pelas imediações. Disse-lhe a sua mulher que, de passagem, iria fazer algumas apostas no casino oceânico e que regressaria antes que as sombras. Mas ela sabia que o que ele em realidade desejava era exibir, muito orondo, aquele traje viscoso e cinza que estreiam os polvos ao chegar a primavera.

Para ir ao casino era preciso descer até uns passadiços vigiados pelas orcas assassinas e por tubarões vorazes. Não tinha medo. Ela sabia que não era difícil para seu marido, nem para suas amigas, as riscas, escapar entre as rochas ou a areia, passar despercebido e depois desfrutar umas horas jogando pérolas, que é o que geralmente os polvos apostavam nas roletas daquele casino. Isso pensava ela calmamente enquanto gozava de umas ovas de sábalo. No entanto, quando a polpa entrou de novo à casa notou com horror que seu marido tinha esquecido sobre a mesa o atado com as pérolas. Que faria? Só tinha dois alternativas. Ou esperava em casa a que seu adorado marido regressasse, derrotado, ou iria ela mesma a levar-lhe as ditosas pérolas.

uma fria corrente atlântica atravessou o salão. Então pensou numa terça alternativa: A púrpura. Algumas vezes o casal de esposos se tinha comunicado dessa maneira Mas com o da púrpura tinha que ter cuidado e fazer cálculos precisos a fim de aproveitar o vaivém da maré e a boa direção das correntes. A púrpura era um molusco comum naquelas águas e ela só tinha que lhe cortar a áspera valva, succionar e derramar pouco a pouco na corrente um fio feito com suas tinturas, e esse sinal bastava para que nosso querido cefalópodo se inteirasse de que tinha uma emergência e devia regressar a casa quanto antes.

Mais o sinal não funcionou. Ao invés. O fio de púrpura subiu e subiu em vez de descer às profundidades do casino oceânico e quem divisaram o sinal foram uns espertos mergulhadores galegos que merodeaban na superfície solazándose num bote pesqueiro e tomando vinho de agulhas "O vinho de agulhas vai muito bem com os polvos" disse o capitão "e segundo vejo aqui abaixo há uns quantos." Dito e fato. O mergulhador se zambulló e o cozinheiro começou de imediato a preparar o água hirviente, o alho, o pimentão, o açafrão e o azeite de oliva Pesava oito quilos.

FERNANDO UREÑA RIB 

FERNANDO UREÑA RIB 

 

 

FERNANDO UREÑA RIB

 

 
 
  Privacy Policy | Terms of use | Help | Contact Us | Report Abuse
© Latin Art Museum 2006. Design and developed by comuniQue.